Entenda tudo sobre corrimento vaginal

Entenda tudo sobre corrimento vaginal

 

O aparelho genital da mulher é composto pela vulva, vagina, útero, trompas e ovários. A vagina é recoberta por um epitélio, mucosa e secretora, ou seja, que produz uma secreção transparente, outras vezes levemente amarelada, sem odor e que serve para proteção e lubrificação. Portanto, o corrimento é todo fluxo que sai da vagina, exceto a menstruação, e, em geral, é normal em todas as mulheres. 

Nos casos em que esse muco habitual muda de aspecto ou odor, ou até produz alguma sensação diferente como ardência ou coceira, se faz necessária a avaliação do ginecologista, pois pode se tratar de alguma infecção, irritação, alteração hormonal e, até mesmo, complicações da gestação.

O que é e o que causa corrimentos?

Corrimentos de cor, cheiro, consistência e volume diferentes do habitual, podem ser causados por fungos, bactérias, vírus, alterações hormonais e gestação recente.

Qual a cor do corrimento normal?

O corrimento normal é incolor ou levemente branco-amarelado, sem odor e, dependendo do período do ciclo hormonal, pode ser mais viscoso ou líquido.

Tipos e cores de corrimentos

Entenda os diferentes tipos e cores: 

Corrimento branco

O corrimento branco e espesso, tipo leite coalhado, está muito associado ao fungo Candida albicans, que causa a candidíase vaginal. Geralmente esse tipo de corrimento aparece de forma abrupta, com bastante coceira, vermelhidão e sensação de queimação na região da vulva e da vagina.

Outra doença que pode apresentar corrimento branco leitoso é a colpite (inflamação do colo do útero) e que pode ser causada por bactérias e protozoários. O diagnóstico necessita da coleta do material para análise e identificação do germe causador.

Corrimento amarelo

O corrimento amarelo, ou amarelo esverdeado, com cheiro desagradável e forte, associado a dor e sensação de queimação durante a relação sexual ou ao urinar, pode ser causado pelo Trichomonas vaginalis (tricomoníase). Essa é uma doença sexualmente transmissível. Mulheres podem ser contaminadas durante a relação íntima com homens ou mulheres. Já os homens, só podem ser contaminados através de relações heterossexuais.

Um corrimento amarelado com aspecto purulento, pode indicar a presença de Clamídia, uma doença sexualmente transmissível que pode quase não causar sintomas.

A gonorreia, doença sexualmente transmissível provocada por uma bactéria chamada gonococo, pode causar corrimento purulento, muitas vezes com sangue, associado a dor e ardência ao urinar.

Corrimento marrom

O corrimento marrom pode ocorrer pela presença de sangue menstrual, então, se for pré ou pós menstrual, ou ocorrer em período de mudança de método contraceptivo ( mudança de pílula ou troca DIU, por exemplo), não deve ser motivo de preocupação.

A presença de sangue no corrimento, exceto nas situações acima descritas, associada a sintomas como dor e ardor ao urinar, deve ser avaliada o quanto antes.

Este tipo de corrimento também pode ocorrer como sinal e sintoma do câncer da vagina, do colo do útero ou do endométrio, sendo importante consultar o ginecologista quando os sintomas surgirem.

Corrimento rosado

O corrimento rosado pode ocorrer em algumas situações. O início da gestação pode provocar o aparecimento de um corrimento rosado em consequência à nidação (fixação do embrião no útero), o que ocorre cerca de 3 a 7 dias após a fecundação. Pode estar associada a leves cólicas abdominais.

Sangramentos de meio do ciclo podem causar o aparecimento de um corrimento rosado, o que pode significar alterações hormonais e até falhas do método contraceptivo.

Corrimento com sangue

O corrimento com sangue vivo pode ser decorrente ao escape menstrual, ovulação ou complicações como pólipos, miomas ou endometriose.

Algumas fases da vida, como os primeiros dois anos após a menarca (primeira menstruação ou na pré menopausa, isso é mais frequente.

Vale lembrar que em alguns casos o corrimento marrom também pode ser uma corrimento com sangue coagulado e o corrimento rosado também tem essa coloração pela presença de pequena quantidade de sangue.

O sangramento pode ser decorrente de trauma ou lesões, como verrugas e câncer. Portanto, procure seu ginecologista para uma avaliação mais detalhada.

Corrimento com mau cheiro

O odor desagradavel no corrimento, geralmente está associado à presença de protozoários ou bactérias.

Algumas dessas bactérias podem ser naturais da vagina e se proliferaram por alteração da flora e pH (Gardnerella).

Outra causa frequente são as ISTs ou DSTs, que são infecções transmitidas através do contato íntimo. As mais frequentes são a tricomoníase, gonorréia, sífilis e clamídia.    

Corrimento na gravidez é sinal de preocupação?

Nem sempre. As mudanças hormonais podem aumentar o volume do corrimento normal. No início da gestação, o corrimento rosado pode ocorrer em virtude da acomodação do embrião à cavidade uterina.

Corrimentos com sangue devem ser sempre avaliados pelo obstetra pois podem refletir risco para a gravidez.

Corrimentos marrom, amarelo-esverdeado, purulento ou com odor desagradável devem ser avaliados com urgência, pois denotam a presença de infecção, o que traz risco para a mãe e para o bebê.

Como acabar com o corrimento vaginal?

A vagina tem sua secreção normal, que é imprescindível para sua proteção, manutenção do pH e flora normais, bem como para a relação sexual. Portanto, nem todo corrimento precisa de tratamento ou deve ser extinto.

Corrimentos decorrentes de infecções precisam de tratamento específico para o agente causador.

A realização do exame ginecológico permite o diagnóstico de traumas, lesões, tumores e alguns casos de endometriose. O tratamento será específico para cada condição e, como o corrimento é secundário a essas alterações, ele cessará.

Manter a higiene, uso de preservativos, evitar o uso de roupas íntimas sintéticas e roupas muito justas podem contribuir para a redução dos episódios de corrimento.

Quando procurar um ginecologista?

O ginecologista deve ser consultado sempre que houver secreção vaginal com odor ou aparência diferente do corrimento habitual. A presença de sangramentos fora do período menstrual ou de sintomas como coceira e ardência, devem ser avaliados.

Quais exames são indicados?

O exame ginecológico, como o Papanicolau,  permite a avaliação do odor e aspecto do muco, a presença de lesões externas e internas na vagina, e avaliação, através da palpação de útero e ovários.

A coleta de secreção para cultura e a citologia oncótica vaginal e de colo de útero, trazem muita informação para o diagnóstico.

As doenças sexualmente transmissíveis também podem ser diagnosticadas através de exames de sangue.


Já para identificar gravidez, o recomendado é realizar o exame beta-HCG